A Lenda do Galo de Barcelos

Um dos itens principais na decoração do Restaurante Vila Chã e de muitos outros lugares de tradição lusitana, o Galo de Barcelos é um símbolo de Portugal que representa o país nos quatros cantos do mundo.

Mesa do Restaurante Vila Chã decorada com o Galo de Barcelos

A peça de artesanato, normalmente em barro, pintada nas cores tradicionais de Portugal vermelho e verde, com detalhes em preto e dourado tem origem em uma medieval, que se passa na cidade de Barcelos, localizada no norte de Portugal, perto de Braga.

A história conta que um peregrino galego (da região da Galícia, na Espanha) que estava percorrendo o Caminho de Santiago de Compostela para cumprir uma promessa foi acusado do crime.

Cidade de Barcelos

O peregrino jurava que não havia sido ele quem havia cometido o crime, porém ninguém acreditava em sua palavra. Momentos antes de ser levado para a forca, o acusado pediu que o levassem até a casa do juiz que o condenara pelo crime.

O juiz estava jantando com amigos e na mesa havia um galo assado. Em frente ao juiz, o peregrino defendeu sua inocência e dizendo que aquele galo cantaria quando fosse enforcado.  

Mesmo com risadas e ninguém acreditando em sua inocência, o inesperado aconteceu e, quando o homem estava para ser enforcado, o galo cantou.

O juiz então correu para forca e viu o homem já com o laço no pescoço, contudo ele ainda estava vivo. O nó do laço não permitia seu estrangulamento. Foi assim que a lenda medieval do Galo de Barcelos ficou conhecida, com o galo cantando para salvar um inocente.

Além da tradicional história, o galo também é tradicionalmente associado a coisas positivas e a virtudes, inclusive sendo possível encontrá-lo em muitas fachadas de igrejas seculares em Portugal.

Fado: O Ritmo da Cultura Portuguesa

O estilo musical tradicional de Portugal conta apenas com uma guitarra portuguesa e a voz dramática de quem o interpreta. No ano de 2011, o Fado foi classificado pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. De origem histórica incerta, o ritmo é o resultado de uma fusão histórica e cultural que ocorreu em Lisboa. O Fado, que surgiu na segunda metade do século XIX, embalado nas correntes do romantismo: melopeia exprimindo a tristeza de um povo, a sua amargura pelas dificuldades que vive, mas capaz de induzir esperança. Contaminando mais tarde os salões aristocratas, tornar-se-ia rapidamente expressão musical tipicamente portuguesa. Tendo como os temas mais cantados a saudade, a nostalgia, o ciúme, as pequenas histórias do quotidiano dos bairros típicos e as lides de touros, o Fado já foi condenável aos olhos da Igreja, por conta de se suas raízes boémias e ordinárias que provinha das tabernas e bordéis, dos ambientes de orgia e violência dos bairros mais pobres da capital, Lisboa. O fado moderno que, iniciou-se e teve o seu apogeu com Amália Rodrigues, quem popularizou fados com letras de grandes poetas, como Luís de Camões, José Régio, Pedro Homem de Mello e outros. Nascido em Lisboa, o Fado é hoje conhecido mundialmente pode ser (e é muitas vezes) acompanhado por violino, violoncelo e até por orquestra, mas não dispensa a sonoridade da guitarra portuguesa. Descubra a playlist “Fados do Vila Chã” no Spotify e conheça alguns clássicos desse histórico ritmo.

VIAJANDO PELOS VINHOS DE PORTUGAL: QUINTA DOS MURÇAS

A Quinta dos Murças, situada no centro da DOC Douro, existe desde o século XVII. O nome surgiu em referência ao fidalgo da casa real Miguel Carlos Cardoso de Sousa de Morais Colmeeiro Teles e Távora, capitão-mor da vila de Murça e proprietário das terras desde 1756.

Caracterizada pela presença de 8 terroirs muito marcados pelas montanhas, pelas diferentes altitudes e exposições solares, pelos solos xistosos e pelo clima característico do vale do rio Douro, os produtos só ganharam espaço no mercado em 1950, após uma reabilitação realizada por Manuel Pinto de Azevedo.

Administrada desde 2008 pelo grupo Esporão, a Quinta das Murças, possui perto de 300.000 videiras. Plantadas ao alto e em patamares, ocupando zonas com 300m de altitude e zonas mais próximas da ampla frente de rio, os vinhedos se beneficiam de diferentes exposições solares. Além da vinha, existem cerca de 6.000 pés de oliveiras, um pomar com 800 laranjeiras, tangerineiras, limoeiros e outras árvores de fruto, além de cerca de 88 hectares de área florestal classificada mata mediterrânica que ajudam a manter o equilíbrio do ecossistema.

VIAJANDO PELOS VINHOS DE PORTUGAL: QUINTA DO CRASTO

Situada à margem do Rio Douro, a Quinta do Crasto é uma propriedade com quase 130 hectares, dos quais 70 são ocupados com vinhas. O empreendimento pertence à família Jorge e Leonor Roquette desde 1981 e produz vinhos do Douro brancos, tintos e vinhos do Porto (LBV e Vintage), além de um delicioso azeite extra virgem. A palavra Crasto deriva do latim castrum, que significa forte romano. A concretização de todos os investimentos, associada à paixão os vinhos, levou ao reconhecimento internacional.

Também no panorama turístico nacional, a Quinta do Crasto tem-se distinguido e afirmado pelo seu carácter diferenciador: não só pela qualidade excepcional dos seus vinhos, muito apreciada nas provas pelos seus visitantes, mas também pelo atendimento personalizado por excelência e pelo seu enquadramento paisagístico único na margem direita do rio Douro, o que faz da sua propriedade um dos locais incontornáveis para o Enoturismo em Portugal.

A Quinta do Crasto recebe anualmente mais de 4.000 visitantes, a grande maioria oriunda do Brasil e de países Europeus.

Ela oferece um vasto conjunto de programas “desenhados” à medida de cada cliente, que incluem visitas com provas de vinhos e almoços ou jantares que podem ser complementados com passeios de barco no rio Douro.

Os importantes investimentos realizados pela Quinta do Crasto, ao longo dos últimos anos, modernizaram as vinhas e as instalações de vinificação, o que tem permitido consolidar a produção de vinhos de elevada qualidade, ano após ano.

 

 

No Restaurante Vila Chã você encontra vários rótulos desse belo e rico lugar, entre eles o Quinta Do Crasto Douro Branco e Quinta Do Crasto Douro,  Quinta Do Crasto Reserva Vinhas Velhas e o especial Flor De Crasto Vila Chã 17 Anos, que harmonizam perfeitamente com pratos típicos da terrinha.

Venha descobrir essa iguaria portuguesa!

A relação de amor entre Portugal e o café

Assim como os brasileiros, os portugueses também sabem apreciar a tradicional bebida.

As características do café são peculiares e reúnem muitos admiradores, desde o cheiro inconfundível a longas distâncias, à temperatura que aquece principalmente os dias frios. Muitos brasileiros não abrem mão da bebida logo ao acordar para iniciar a rotina e sabem de uma coisa? Os portugueses também são grandes apreciadores do café, mas possuem algumas diferenças no consumo.

Aqui no Brasil estamos acostumados a preparar o café em casa, já as cafeterias portuguesas vivem lotadas, porque os lusos têm o hábito de passarem em um café após as refeições.

Logo de manhã ou ao longo do dia, o fato é que compartilhamos mais essa paixão em comum, mas se for visitar a terrinha é preciso saber como pedir seu café para não se surpreender com o que lhe for servido.

As denominações da bebida são um pouco diferentes por lá, então vou deixar algumas dicas para você acertar na sua próxima viagem e não deixar o cafezinho de lado.

Se você é aquele apaixonado por um expresso, precisa saber que em Portugal ele é conhecido como bica, o nome engraçado carrega uma história engraçada também. “A Brasileira” é uma cafeteria famosa na terrinha, logo no começo servia essa pequena porção da bebida e as pessoas a achavam muito amarga. Por isso, colocaram uma placa na entrada com o texto: “beba isto com açúcar” e o nome se tornou popular.

As outras formas com que pedimos café também variam um pouco em Portugal, como o galão, que nada mais é do que o nosso tradicional café com leite. Esse é consumido pelos portugueses geralmente antes do almoço e acompanhado por uma torrada com manteiga ou o famoso pastel de Belém.

Outra denominação para o nosso café com leite é a meia-de-leite, que tecnicamente é a mesma coisa que o galão, mas servido em uma chávena, como os portugueses chamam a xícara.

Por aqui temos o costume de tomar um pingado, em Portugal ele também existe em algumas cidades, mais comum no norte do País, já no sul é conhecido como garoto, que nada mais é do que a bica com um pouco de leite.

Bom, essas são algumas denominações que se diferem um pouco do nosso costume e podem te ajudar em sua viagem à terrinha. Ou se quiser aproveitar o costume luso aqui mesmo, no Brasil, venha ao Restaurante Vila Chã e deguste uma deliciosa gastronomia portuguesa e termine com um agradável café. Te espero!

Festival Verão na Montanha

O Restaurante Vila Chã irá contemplar a estação mais calorosa do ano com o Festival Verão na Montanha

Distante de toda a grande movimentação do litoral, das altas temperaturas, filas e trânsito, Campos do Jordão, na encantadora Serra da Mantiqueira, é uma ótima opção para quem busca a tranquilidade no verão.

Com um clima fresco, muita sombra e contato direto com a bela natureza, a cidade tem a gastronomia como um de seus principais atrativos e o Restaurante Vila Chã é referência quando o assunto é viver uma experiência gastronômica completa.

Nesta temporada, nossa tradicional casa portuguesa preparou pratos com o sabor único da estação, com um toque especial da cozinha lusitana: é o Festival Verão na Montanha.

 

Pratos com polvos e outros pescados são alguns destaques do menu exclusivo do Festival. Entre eles, está o típico Polvo à Lagareiro, que é cozido em baixa temperatura e servido apenas seus tentáculos, levemente tostados.

Além do característico sabor da culinária da terrinha, as receitas especiais poderão ser saboreadas e harmonizadas com vinhos de importação exclusiva, principalmente com os brancos e rosés, tipos que se adequam perfeitamente ao verão.

Aproveite a estação mais iluminada do ano para viver uma verdadeira experiência portuguesa no Vila Chã, espero por vocês!

O Tradicional Caldo Verde Português

Conhecida como uma das sete maravilhas gastronômicas portuguesas, se tornou uma sopa popular mundialmente

A sopa feita a base de couve e batatas teve sua produção iniciada no século XV em regiões do norte de Portugal, especialmente na província do Minho e Douro. Segundo a história, o caldo era preparado pelos trabalhadores do campo, que gostariam de oferecer aos seus convidados uma alimentação saborosa, com seus principais ingredientes. Porém, outros alimentos também eram incluídos na sopa como a mandioca e o chouriço, esse último por si só traz um contraste a composição do prato.

A receita foi se adaptando conforme ia passando por diferentes regiões. Contudo, se tornou tradição entre os portugueses, que hoje, costumam prepara-la nas noites frias de inverno. Geralmente o caldo é também acompanhado por broa de milho e, segundo pede a receita, um vinho para harmonizar. No Brasil, o caldo verde pode ser encontrado com alterações, apresentando outros ingredientes como o bacon e também a couve-manteiga, muito parecida com a couve-galega usada na receita original. Outro exemplo de adaptação da receita original que podemos ver é o caldo verde light.


E para você que gosta de preparar saborosas receitas como esta, é importante se atentar ao processo de seleção dos alimentos. Procure aqueles que são providos de uma agricultura sustentável, buscando a qualidade da refeição e tendo em vista o cuidado com o meio ambiente.

Enfim, deixo o meu convite para vir até o Restaurante Vila Chã, em Campos do Jordão, conhecer mais sobre as tradições da terrinha. O clima da Serra da Mantiqueira traz é ideal para saborear uma deliciosa receita de caldo verde preparada especialmente em nossa casa Portuguesa. Terei o prazer de oferecer uma gastronomia tradicional da terrinha acompanhada de um exímio vinho!

Conheça a história do tradicional Azulejo Português

Encontrados em igrejas, palácios e espaços públicos, os azulejos atravessaram gerações fazem parte da história de Portugal

A tradição e o desenvolvimento das peças começaram no ano de 1498 quando D. Manuel I, Rei de Portugal, viaja à Espanha e se encanta com os interiores mouriscos e a multiplicação das cores nos revestimentos das paredes. Eram azulejos feitos de cerâmica com pouca espessura, geralmente em formato quadrado e com uma das faces feita de vidro, impermeável e brilhante. Foi assim, com sua vontade de trazer a mesma ideia de decoração vista em Sevilha, Toledo e Saragoça, que o azulejo hispano-mourisco chega a Portugal.

A palavra azulejo tem origem árabe que significa pequena pedra polida utilizada para desenhar mosaico bizantino. Porém, outros temas eram desenhados na superfície como por exemplo relatos de episódios históricos, cenas mitológicas, iconografia religiosa e outros elementos decorativos, assumindo-se em Portugal como um importante suporte para a expressão artística nacional, empregues nas paredes, palácios, jardins, igrejas, conventos e outros. Sua chegada ao país já apresentava uma forte influência do gosto europeu por uma particular estética portuguesa que veio de causas contemporâneas.

Outra influência se determinou pelo império português ultramarino, tendo um papel significante na diversidade das formas com uma junção de temas e elementos de artes de outras civilizações, transmitidos pelo processo de aculturação. Os azulejos portugueses se tornaram uma base de referência para a expressão artística portuguesa há séculos, representado como algo importante, mais do que simplesmente um elemento decorativo, espelhando os ideais de um povo e sua solidariedade ao intercâmbio cultural. As ilustrações são consideradas uma das criações mais originais da cultura, com sua riqueza de cores e criação de cenários deslumbrantes recheados de histórias e mentalidades de cada época.

 

Agora deixo meu convite para vir até o Restaurante Vila Chã e conhecer mais sobre as tradições portuguesas, acompanhado de uma deliciosa gastronomia. Te espero!

A arte da Harmonização

O complemento que a bebida traz ao prato proporciona sensações únicas ao paladar

Não existe uma regra geral sobre harmonização, afinal, quando falamos sobre paladar, estamos falando sobre um campo muito diversificado, que varia muito de pessoa para pessoa. A premissa fundamental dessa arte é combinar o alimento e o vinho, sem que nenhum dos dois se sobressaia entre os sabores apresentados.

A estrutura do prato e do vinho devem ser levados em consideração para a composição dos sabores, os elementos como temperos, acidez, aromas, doçura e intensidade são de extrema relevância nessa construção.

As formas mais comuns de harmonização são feitas por similaridade ou contraste. Quando a opção é similaridade, os sabores devem ser próximos, se complementando pelo que tem em comum. Já o contraste, como o próprio nome diz, busca o equilíbrio entre a comida e o vinho entre as distinções que cada um apresenta.

Com uma extensa carta de vinhos, aqui no Restaurante Vila Chã podemos oferecer aos clientes e amigos opções incríveis de harmonizações, com os diversos pratos de nosso cardápio. Venha fazer uma visita à nossa Casa Portuguesa, caso precise de ajuda na escolha, estarei a disposição para sugestões.

Mas, hoje vou deixar algumas dicas para vocês poderem propagar essa arte também em casa.

Quando for fazer a construção de um prato e um vinho lembre-se que uma sensação deve contrapor a outra. Primeiramente, deve-se equilibrar a dureza e a maciez. A dureza do vinho é constituída por seus taninos, pela acidez e pelo sabor. Já a dureza da comida é composta por tendência ácida e amarga. O oposto disso na bebida é a doçura e o álcool e nos alimentos é a gordura e o sabor doce.

Para uma comida gordurosa , o ideal é contrapor um vinho de grande frescor, por uma tendência muito simples: a gordura seca o paladar e a acidez faz salivar, limpando a boca. Essa ideia se repete também para a dureza da comida, que temos que equilibrar com a maciez do vinho.

Portanto, para acertar na harmonização, procure provocar sensações opostas entre os vinhos e os alimentos. Se optar por uma harmonização por similaridade, procure associar características em comum, por exemplo, se a comida for estruturada, mais estrutura o vinho deve ter.

Produção de vinhos: Conheça alguns tipos de uvas

A variação do fruto, o modo de produção e a identidade da vinícola compreendem na diversidade de rótulos

Como um bom apreciador de vinhos, gosto sempre de ter experiências diferentes a cada degustação e por isso sempre me permito fazer diferentes harmonizações. As características de cada rótulo são o que permitem as novas descobertas e essas peculiaridades são proporcionadas por uma série de fatores e um deles é a variedade de uvas utilizadas na elaboração dos vinhos. Por isso, hoje eu trouxe um pouco sobre as castas mais conhecidas nesse processo. Conheça:

Chardonnay: são as uvas mais conhecidas na produção dos grandes vinhos brancos e aos excelentes espumantes. Se adapta facilmente aos diferentes tipos de solo e clima, por isso é cultivada na maioria das regiões vitivinícolas do mundo e produz diferentes tipos de vinhos, desde os leves, frescos e frutados para serem consumidos jovens, até os encorpados e complexos.

Cabernet Sauvignon: Esta é a cepa mais conhecida entre as produções de vinhos tintos e uma das uvas de maior prestígio, que podem ser cultivadas em diversas regiões de climas temperados e quentes. Os rótulos oriundos dessa variação são complexos e elegantes, ideais para amadurecimento em carvalho que, com o tempo, desenvolvem o equilíbrio característico de amargor e aroma.

Sauvignon Blanc: De origem francesa e com grande prestígio, esta uva produz rótulos com aromas intensos e acidez características, secos e refrescantes, carregam traços frutados. Além da tradicional região produtora, a Nova Zelândia é o país do novo mundo que mais se identifica com esta cepa, com colheitas em diferentes estágios de maturação, elaborando produtos de alta qualidade

Malbec: É a uva tinta cultivada na Argentina e produz os emblemáticos vinhos desse país. Com cor intensa e frutados, os rótulos produzidos desta uva são intensos e macios e possuem tons florais como de violetas. A complexidade e elegância pode ser alcançada com o amadurecimento em carvalho e com isso vinhos de alta qualidade reconhecidos mundialmente.

Merlot: Originária de Bordeaux (França) produz vinhos sedosos e com aromas de frutos vermelhos maduros. Amadurece muito bem em carvalho, obtendo complexidade e elegância com bom potencial de guarda.

Pinot Noir: Apta para o cultivo em climas frios, produz vinhos leves e meio encorpados, com aromas muito acentuados e elegantes na composição. Esta cepa é caracterizada pelas variações do cultivo de sua origem, a Borgonha na França e também faz parte dos excelentes espumantes de Champagne, combinada com outras variações.

Syrah: Com origem ainda muito discutida, é considerada uma das mais antigas uvas que se tem conhecimento. Os vinhos são estruturados, perfumados e com bom potencial de guarda, segundo seu tipo de elaboração. No Novo Mundo se destaca na Austrália, onde é comum achá-la em cortes com Cabernet Sauvignon.

Carménère: De procedência francesa, apareceu no Chile cultivada junto à Merlot e é responsável pela produção de vinhos, com notas de frutas vermelhas e especiarias, de cor intensa e com boa estrutura tânica.

Espero ter esclarecido algumas dúvidas e deixo o convite para apreciarem os rótulos incríveis produzidos em todo o mundo com essa variações de castas, encontre o que mais te agrada em meu Empório e saúde!