Sabor da terrinha: receitas que completam as festas de fim de ano

Do bacalhau às sobremesas, as receitas portuguesas contribuem para que tradicionais festas tornem-se ainda mais especiais

 

O consumo de bacalhau chegou ao Brasil junto com os portugueses, com a vinda da Corte no século XIX, reforçando o hábito de se alimentar do típico peixe. Por aqui, a iguaria também caiu no gosto dos brasileiros, mas o prato é ainda mais desejado durante a Páscoa e nas festas de fim de ano.

Mas como essa tradição começou?
Ao longo do tempo, o bacalhau tornou-se um verdadeiro símbolo da identidade portuguesa. Assim como aconteceu em outras regiões da Europa, o consumo do peixe estava amplamente associado aos costumes religiosos.

No cristianismo, por exemplo, eram comuns os jejuns e as abstinências de carne vermelha em diversos períodos do ano, favorecendo a escolha do peixe como alimento principal para as refeições. O alimento marcava, entre outros locais, a alimentação de padres e monges, como no Convento do Bom Jesus de Viseu, do Oratório e Alto Douro.

O bacalhau tornou-se uma excelente mercadoria que abastecia e movimentava o comércio e, por isso, era fonte básica de alimento dos povos dessa região. Com o passar dos anos e a aderência do peixe na alimentação de outras classes da população, o típico prato começou a ser preparado com batatas e legumes, principalmente para as ceias de Natal no Norte, as tradicionais consoadas, graças a abstinência da carne vermelha na véspera natalina.

Mas, além do bacalhau, outras iguarias tornaram-se pratos indispensáveis na ceia portuguesa, como a rabanada. Diversas histórias compõem a origem do doce, mas, com certeza, a terrinha deixou a receita ainda mais especial.

Também chamada de “fatia de parida”, acreditavam que o doce ajudava a produção de leite materno. Conta-se que certa vez, uma mãe precisava alimentar seu bebê recém-nascido e não tinha nada para comer. Pediu então ajuda aos seus vizinhos, que deram à mulher apenas pão amanhecido, leite e ovo. Com os ingredientes, ela preparou uma sopa que a fez farta de leite para alimentar seu filho.

Assim, entre histórias e variações da receita, a rabanada é feita essencialmente com pães amanhecidos, que seriam reaproveitados pelos cristãos a partir da crença do pão como alimento sagrado, representando o corpo de Cristo.

Na sobremesa, os pães fatiados são banhados em leite e ovos batidos, fritos na manteiga e finalizados com açúcar e canela. Contudo, em Portugal, a receita ganha o sabor exclusivo da mais conhecida bebida milenar, o Vinho do Porto, que pode acompanhar a sobremesa compondo uma deliciosa calda.

A rica gastronomia lusitana agrega às festas de fim de ano sabores ainda mais especiais. E claro que eu não poderia deixar de contribuir para que suas celebrações sejam repletas de sabores da terrinha e alegrias em família.

Para isso, este ano mais uma vez você pode encomendar sua ceia com o típico sabor Vila Chã. As encomendas podem ser feitas até dia 24/12, para o Natal, e 31/12, para o Réveillon. É necessário fazer o pedido até às 15h dos respectivos dias e entregamos até às 18h dessas datas.

Os pratos são do cardápio tradicional do Vila Chã mas, caso necessite, poderemos fazer pratos natalinos. Porém, nessa circunstância, é necessário prévia reserva de um dia.

Saiba mais e reserve:
Av. Engenheiro Diogo de Carvalho, 9 – Capivari, Campos do Jordão/SP.
Tel.: (12) 3663-4702

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *