Viajando pelos vinhos de Portugal: Quinta do Ameal

Com mais de 300 anos de tradição, a Quinta do Ameal é uma das mais famosas produtoras de vinhos brancos do mundo

Criada em 1710, no Vale do Lima, norte de Portugal, a Quinta do Ameal é uma pequena e antiga propriedade que se destaca pela exclusiva produção ecológica de vinhos brancos, feitos a partir de uma única casta de uva portuguesa: o Loureiro.

Além da beleza local, a excelência dos vinhos é resultado de uma filosofia de produção orgânica de uvas. Por isso, a Quinta é conhecida por seus rótulos de terroir de grande personalidade e carácter.

Junto à produção artesanal, a vinícola carrega um importante histórico familiar. Quando começaram a produzir, a casta Loureiro estava esquecida na produção de vinhos de nicho. Então, a família optou pela uva para tornar realidade o sonho de fazer vinhos brancos.

Para garantir a qualidade dos vinhos da Quinta do Ameal, cada fase de produção é cuidadosamente respeitada. Nas vinhas, o rigor está presente desde a poda dos cachos até a seleção restrita de uvas, tudo para que o resultado final sejam vinhos atrativos e complexos.

A produção orgânica das uvas assegura, além da qualidade única de seus vinhos, a responsabilidade da promoção da biodiversidade, do respeito com o solo e o local de onde brota a bebida.

Através dessa atitude ecológica, o equilíbrio entre produção e natureza permite o crescimento controlado de ervas específicas que ajudam as vinhas, com solos minerais ricos.

Com seus 30 hectares, a Quinta do Ameal permite um passeio incrível ao visitante. São 12 hectares de vinhas plantadas, com espaços de floresta com pinheiros e carvalhos com mais de 200 anos, além de jardins e rios que completam esse cenário deslumbrante.

Assim, os produtos do Ameal são exportados para mais de 15 países e hoje encontra-se nas cartas dos melhores e mais exigentes restaurante do mundo.

No Restaurante Vila Chã você encontra o Quinta do Ameal Loureiro Clássico, feito com 90% Loureiro e 10% Arinto, oferece frescor e intensidade, mostrando frutas cítricas em produção, boa textura e final profundo e untuoso com toques salinos, florais e de mel.

Venha harmonizar com um tradicional prato português!

Wine Day: degustação de vinhos no restaurante vila chã

No dia 2 de novembro, o Restaurante irá realizar o Wine Day, com a participação dos representantes da importação exclusiva do Vila Chã

Por volta dos anos 1793, deram à palavra “provador” um novo sentido, era aquele que tinha como ofício provar vinhos. Mais tarde, estudiosos franceses atribuíram à arte da experimentação de vinhos a palavra “degustar” que, ao longo dos anos, conquistou espaço e resultou em um campo amplo que passou a abranger qualidades sensoriais, apreciação e avaliação.

A crítica da bebida milenar ganhou ainda mais importância com o surgimento dos rótulos do Novo Mundo, valorizando as características intrínsecas do vinho, como sabor e aroma, e tornando a arte ainda mais notável.

Assim, além da contemplação essencial do vinho, a crítica tornou-se um saber que também agrega às suas propriedades a origem, a tradição e a história da bebida.

Hoje, são inúmeras as maneiras de avaliar tecnicamente um vinho e, por isso, faço aqui um convite muito especial a você que também aprecia bons rótulos e tudo que envolve essa tradicional bebida.

Nossa casa portuguesa irá proporcionar uma experiência única. No dia 2 de novembro, a partir das 19h, o Restaurante Vila Chã será palco do Wine Day: um evento para a degustações dos nossos rótulos exclusivos, com os responsáveis pelas importadoras das marcas.

  

 

Para participar conosco, você pode adquirir seu lugar pelo e-mail empório@vilacha.com.br ou no próprio Restaurante. O valor do ingresso é R$60,00 e conta com degustação, águas e acepipes. Além disso, metade desse valor será revertido em compra de vinhos no local.

Espero por vocês!

Restaurante Vila Chã
Av. Engenheiro Diogo de Carvalho, 99 – Capivari, Campos do Jordão/SP.
(12) 3663-4702

 

 

 

Viajando pelos vinhos de Portugal: Herdade do Esporão

O Esporão é uma tradicional herdade portuguesa, que incentiva cada vez mais os familiares a entrarem no negócio

Localizada na região de maior superfície geográfica em Portugal, o Alentejo, a Herdade do Esporão foi fundada em 1973 por José Roquette e Joaquim Bandeira. Como uma empresa familiar, o Esporão até hoje busca valorizar a tradição portuguesa, produzindo vinhos de excelente qualidade, tendo em vista a preservação da biodiversidade e o desenvolvimento sustentável.

Parte dos roteiros mais conhecidos do enoturismo em Portugal, a Herdade oferece visita guiada e permite conhecer o processo de produção, as vinhas e de participar de uma degustação. Além disso, o local conta com restaurante, wine bar e pontos turísticos, como a Torre do Esporão e a Ermida de Nossa Senhora dos Remédios.

A região em que está localizada, apresenta variedade significativa de pomares e hortas, além de obter condições favoráveis para a agricultura, tais como grandes amplitudes térmicas.

Hoje, a Herdade possui mais de 60 hectares de vinhedos e mais de 80 hectares de olival. Enquanto isso, para a produção impecável dos reconhecidos rótulos do Esporão, a empresa também incorpora uvas da Herdade dos Perdigões e de outros parceiros, que reflete em 15% do volume total.

Dentre as produções mais reconhecidas estão os vinhos Assobio e Monte Velho, os quais vem conquistando bons apreciadores da bebida portuguesa.

No Restaurante Vila Chã, nossa carta de vinhos conta com exclusivos rótulos do Esporão, como Duas Castas e Verdelho Branco, ambos com sabor fresco e persistente.

Venha a nossa casa portuguesa e harmonize os vinhos do Esporão com nossos tradicionais pratos lusitanos. Espero por você para vivenciar essa experiência única!

A arte da Harmonização

O complemento que a bebida traz ao prato proporciona sensações únicas ao paladar

Não existe uma regra geral sobre harmonização, afinal, quando falamos sobre paladar, estamos falando sobre um campo muito diversificado, que varia muito de pessoa para pessoa. A premissa fundamental dessa arte é combinar o alimento e o vinho, sem que nenhum dos dois se sobressaia entre os sabores apresentados.

A estrutura do prato e do vinho devem ser levados em consideração para a composição dos sabores, os elementos como temperos, acidez, aromas, doçura e intensidade são de extrema relevância nessa construção.

As formas mais comuns de harmonização são feitas por similaridade ou contraste. Quando a opção é similaridade, os sabores devem ser próximos, se complementando pelo que tem em comum. Já o contraste, como o próprio nome diz, busca o equilíbrio entre a comida e o vinho entre as distinções que cada um apresenta.

Com uma extensa carta de vinhos, aqui no Restaurante Vila Chã podemos oferecer aos clientes e amigos opções incríveis de harmonizações, com os diversos pratos de nosso cardápio. Venha fazer uma visita à nossa Casa Portuguesa, caso precise de ajuda na escolha, estarei a disposição para sugestões.

Mas, hoje vou deixar algumas dicas para vocês poderem propagar essa arte também em casa.

Quando for fazer a construção de um prato e um vinho lembre-se que uma sensação deve contrapor a outra. Primeiramente, deve-se equilibrar a dureza e a maciez. A dureza do vinho é constituída por seus taninos, pela acidez e pelo sabor. Já a dureza da comida é composta por tendência ácida e amarga. O oposto disso na bebida é a doçura e o álcool e nos alimentos é a gordura e o sabor doce.

Para uma comida gordurosa , o ideal é contrapor um vinho de grande frescor, por uma tendência muito simples: a gordura seca o paladar e a acidez faz salivar, limpando a boca. Essa ideia se repete também para a dureza da comida, que temos que equilibrar com a maciez do vinho.

Portanto, para acertar na harmonização, procure provocar sensações opostas entre os vinhos e os alimentos. Se optar por uma harmonização por similaridade, procure associar características em comum, por exemplo, se a comida for estruturada, mais estrutura o vinho deve ter.

Produção de vinhos: Conheça alguns tipos de uvas

A variação do fruto, o modo de produção e a identidade da vinícola compreendem na diversidade de rótulos

Como um bom apreciador de vinhos, gosto sempre de ter experiências diferentes a cada degustação e por isso sempre me permito fazer diferentes harmonizações. As características de cada rótulo são o que permitem as novas descobertas e essas peculiaridades são proporcionadas por uma série de fatores e um deles é a variedade de uvas utilizadas na elaboração dos vinhos. Por isso, hoje eu trouxe um pouco sobre as castas mais conhecidas nesse processo. Conheça:

Chardonnay: são as uvas mais conhecidas na produção dos grandes vinhos brancos e aos excelentes espumantes. Se adapta facilmente aos diferentes tipos de solo e clima, por isso é cultivada na maioria das regiões vitivinícolas do mundo e produz diferentes tipos de vinhos, desde os leves, frescos e frutados para serem consumidos jovens, até os encorpados e complexos.

Cabernet Sauvignon: Esta é a cepa mais conhecida entre as produções de vinhos tintos e uma das uvas de maior prestígio, que podem ser cultivadas em diversas regiões de climas temperados e quentes. Os rótulos oriundos dessa variação são complexos e elegantes, ideais para amadurecimento em carvalho que, com o tempo, desenvolvem o equilíbrio característico de amargor e aroma.

Sauvignon Blanc: De origem francesa e com grande prestígio, esta uva produz rótulos com aromas intensos e acidez características, secos e refrescantes, carregam traços frutados. Além da tradicional região produtora, a Nova Zelândia é o país do novo mundo que mais se identifica com esta cepa, com colheitas em diferentes estágios de maturação, elaborando produtos de alta qualidade

Malbec: É a uva tinta cultivada na Argentina e produz os emblemáticos vinhos desse país. Com cor intensa e frutados, os rótulos produzidos desta uva são intensos e macios e possuem tons florais como de violetas. A complexidade e elegância pode ser alcançada com o amadurecimento em carvalho e com isso vinhos de alta qualidade reconhecidos mundialmente.

Merlot: Originária de Bordeaux (França) produz vinhos sedosos e com aromas de frutos vermelhos maduros. Amadurece muito bem em carvalho, obtendo complexidade e elegância com bom potencial de guarda.

Pinot Noir: Apta para o cultivo em climas frios, produz vinhos leves e meio encorpados, com aromas muito acentuados e elegantes na composição. Esta cepa é caracterizada pelas variações do cultivo de sua origem, a Borgonha na França e também faz parte dos excelentes espumantes de Champagne, combinada com outras variações.

Syrah: Com origem ainda muito discutida, é considerada uma das mais antigas uvas que se tem conhecimento. Os vinhos são estruturados, perfumados e com bom potencial de guarda, segundo seu tipo de elaboração. No Novo Mundo se destaca na Austrália, onde é comum achá-la em cortes com Cabernet Sauvignon.

Carménère: De procedência francesa, apareceu no Chile cultivada junto à Merlot e é responsável pela produção de vinhos, com notas de frutas vermelhas e especiarias, de cor intensa e com boa estrutura tânica.

Espero ter esclarecido algumas dúvidas e deixo o convite para apreciarem os rótulos incríveis produzidos em todo o mundo com essa variações de castas, encontre o que mais te agrada em meu Empório e saúde!

Viajando pelos vinhos de Portugal: Herdade dos Grous

O ambiente rural permite passeios tranquilos e garante a produção dos excelentes rótulos

Se o Alentejo reflete o Novo Mundo do vinho em Portugal, a Herdade dos Grous é um dos maiores testemunhos. A propriedade com cerca de 700 hectares, com uma belíssima paisagem rural, um hotel de charme, olival e criação de animais característicos da região, reserva 10% de sua área para a elaboração de vinhos de alta gama, em estilo internacional. Quem arquitetou o projeto da Herdade dos Grous e gere as inúmeras atividades, especialmente a vinificação dos tintos e brancos, é o reputado enólogo Luis Duarte.

 

 

Os vinhos da Herdade dos Grous, produzidos sempre em pequena quantidade, são a expressão máxima do Alentejo moderno – ricos, complexos e cheios de fruta, caíram rapidamente no gosto dos apreciadores portugueses. Para elaborá-los, Luis Duarte conta com vinhedos que seguem o cultivo sustentável, com rega controlada gota-a-gota, e uma adega de alta tecnologia, dotada de lagares com temperatura controlada e salas refrigeradas para a fermentação dos vinhos em barrica de carvalho francês.

O nome da vinícola remete a uma ave comum da região – o grou –, muito bonita, com plumagem colorida, simbolizando a filosofia de respeito e gratidão pelo meio ambiente.

Unindo vinho, agropecuária e turismo, a Herdade do Grous é um dos locais indispensáveis para se visitar em Portugal. As vinhas são um convite à quem quer conhecer como funciona a produção da bebida, o visitante pode se hospedar no hotel e apreciar as diversas atividade que o mesmo oferece.

 

 

Já os renomados vinhos que a Herdade dos Grous produz, você pode saborear exclusivamente no Vila Chã. Aproveite e harmonize com nossos deliciosos pratos portugueses, esperamos por você!

 

 

Viajando pelos vinhos de Portugal: Herdade da Malhadinha Nova

Na região de Baixo Alentejo, a propriedade reflete tradição familiar na produção de vinhos

Alentejo é a maior região portuguesa, com um território de aproximadamente 27 mil km. Sua história é marcada principalmente por construções do período romano, com igrejas e castelos medievais, além de registros da passagem de fenícios e celtas. Um misto cultural e histórico que faz da região de Alentejo um dos principais destinos turísticos de Portugal e que atrai por seus monumentos, pela beleza da região costeira e, mais recentemente, para o turismo rural.

Continuar lendo Viajando pelos vinhos de Portugal: Herdade da Malhadinha Nova

Viajando pelos vinhos de Portugal: Quinta do Crasto

Localizado na belíssima região do Douro, a vinícola é responsável por produzir exímios vinhos portugueses

Com suas maravilhosas belezas naturais a região do Douro se destaca no turismo de Portugal. O protagonista da paisagem é, sem dúvida, o Rio Douro que marca o local pela sua presença.

Continuar lendo Viajando pelos vinhos de Portugal: Quinta do Crasto